sábado, 7 de novembro de 2015

Automação vai mudar empregos mais do que matá-los

Software inteligente e robôs não estão preparados para acabar com um grande número de empregos norte-americanos, mas a automação voltada para a tecnologia vai afetar a maioria de cada ocupação e pode mudar de trabalho, de acordo com nova pesquisa da McKinsey.


Automação Industrial

O relatório, publicado na sexta-feira e escrito por dois membros do Instituto McKinsey Global, braço de pesquisa da empresa de consultoria, e outro funcionário do McKinsey, acrescenta um toque para o debate sobre a natureza provável e o ritmo de automação no local de trabalho.

Os temores da automação de hoje, essencialmente, assenta em dois pressupostos. Em primeiro lugar, a velocidade dos avanços em software digital e hardware é mais rápido do que em ondas anteriores de mudança tecnológica. E segundo, software inteligente e máquinas estão cada vez mais capaz de automatizar tarefas cognitivas, e não apenas os físicos. Inteligência artificial, ao que parece, representa um novo tipo de ameaça para o emprego, não tanto substituindo muscular, mas cérebros.

A pesquisa do McKinsey sugere um tipo diferente de impacto, pelo menos durante os próximos três a cinco anos, que é o período de tempo de sua análise. O estudo do McKinsey constatou que menos de 5 por cento dos postos de trabalho pode ser totalmente automatizado usando "tecnologias atualmente demonstradas", que qualifica de tecnologias que estão ou no mercado ou em laboratórios de pesquisa.

Em vez disso, a nova pesquisa se ​​concentra no trabalho abaixo do nível de ocupação, baixo para cerca de 2.000 diferentes tipos de atividades de trabalho em cerca de 800 ocupações, usando as definições de um projeto patrocinado pelo Departamento do Trabalho. Aplicando essa lente, os pesquisadores concluíram que 45 por cento das atividades de trabalho pode ser automatizado, o que poderia afetar as pessoas em muitos papéis diferentes.

O trabalho maduro para a automação não é apenas tarefas de rotina em postos de trabalho de menor pagando. "A maioria de alta dos salários, empregos altamente qualificados têm uma quantidade significativa de atividade que pode ser automatizado", disse Michael Chui, diretor do McKinsey Global Institute, e um co-autor do relatório.

Trabalhos em que parte das atividades poderiam ser automatizadas incluem médicos, gerentes financeiros e altos executivos. No ápice da escada do trabalho corporativo, principais executivos, tem mais de 20 por cento do trabalho que pode ser automatizado, afirma as estimativas do McKinsey. As tarefas CEO que poderiam ser automatizadas com o software de aprendizado de máquina incluem relatórios de análise e dados para tomar decisões operacionais, a preparação de designações de pessoal e revisão de relatórios de status.

Paisagistas e profissionais de saúde que trabalham em casa estão entre as ocupações menos suscetíveis a automação do que chefes executivos, de acordo com a McKinsey.

Os autores do McKinsey destacou o potencial de automação para enriquecer o trabalho, liberando as pessoas a se concentrar em tarefas mais criativas. Aparentemente, não é um monte de espaço para melhorias nessa frente. De acordo com um cálculo no relatório, "apenas 4 por cento das atividades de trabalho em toda a economia dos EUA exigem criatividade a nível humano mediana de desempenho."

Fonte: Bits