sexta-feira, 11 de março de 2016

TP-Link proíbe firmware personalizado em seus routers

Fabricante de equipamentos de rede TP-Link não permitirá mais que as pessoas instalem firmware personalizado em seus roteadores Wi-Fi.


TP-Link Wireless
TP-Link

Em uma breve declaração publicada em seu site, a TP-Link que tem sede em Shenzhen, China, disse que as regras revistas da Federal Communications Commission (FCC) EUA sobre equipamentos baseados em rádio, torna ilegal nos Estados Unidos que os utilizadores reprogramem a firmware dos equipamentos.

"O FCC exige que todos os fabricantes proíbam usuário de ter qualquer capacidade direta para alterar os parâmetros de Radio Frequência (RF), (limites de frequência, potência de saída, códigos de país, etc.), a fim de manter os nossos produtos em conformidade com estas regulamentações implementadas, a TP-LINK fará a distribuição de dispositivos que caracterizam firmware específico do país. Aparelhos vendidos nos Estados Unidos terão configurações de firmware e wireless que assegurem o cumprimento das leis e regulamentos locais relacionados com a potência de transmissão" disse TP-Link.

O trabalho do FCC que tem como competência a fiscalização do espectro norte-americano de radiofrequência, a atribuição de canais de rádio e TV, serviços de telefonia e TV por assinatura é fazer com que os dispositivos só funcionam nas frequências de rádio que são licenciadas para tal. Equipamentos como roteadores sem fio domésticos, que podem ser reprogramados por seus proprietários podem ser potencialmente configurado para operar em frequências não autorizadas o que gera um grande problema para o FCC.

No entanto o fabricante poderia projetar seu hardware de uma forma que iria impedir a instalação de firmware modificada pelo usuário para mudar as frequências utilizadas pelo sistema eletrônico de rádio, que iria servir a FCC, mas que provavelmente será um trabalho muito duro para TP-Link.

TP-Link não declarou expressamente que ainda irá oferecer roteadores reprogramáveis ​​em outros países, mas fez notar "este regulamento particular afeta routers comercializados e vendidos apenas nos EUA."