GearBest

segunda-feira, 21 de março de 2016

Telemedicina Smartphones ajuda médicos, mas a segurança é um problema

É ótimo que os médicos possam enviar e-mail e fotos como especialistas, mas não quando eles usam aplicativos padrão



Um médico australiano alertou que, enquanto Smartphones fornecer um bom suporte para a telemedicina, os médicos precisam lembrar que não estão seguros por padrão.

Dr Paul Stevenson é o autor principal de um artigo no Medical Journal of Australia, no qual ele adverte os médicos que, se eles são descuidados com as imagens que eles usam em ambientes clínicos, eles estão expondo-se a risco ético e legal.

O documento analisa o uso de Smartphone em dermatologia, e conclui que ele é uma ferramenta muito útil. Em particular, Stevenson escreve, as imagens tiradas por um profissional em um local remoto são facilmente boa o suficiente para um especialista na cidade fornecer um diagnóstico preciso.

No entanto, os médicos não são particularmente entendido de segurança, e tem preocupado Stevenson.

Por exemplo, em vez de usar um aplicativo seguro que está adaptada para ambientes clínicos, os médicos são vítimas de conveniência, passando as imagens, quer como MMS ou em e-mails mal protegido.

Se os praticantes tem que usar e-mail, Stevenson sugere fortemente um serviço de e-mail seguro (Gmail entregue por HTTPS, em vez de uma conta de e-mail hospedado em ISP; até mesmo uma conta fornecida pelo hospital, pode não ser tão seguro como o Gmail).

Ele acrescenta que os praticantes provavelmente precisam ser lembrados de excluir mensagens de sua pasta "enviado", e evitar incluir informações de identificação (exemplo tatuagens) em fotos, se puderem.

A questão do consentimento também é importante, o documento afirma: "Os profissionais devem obter o consentimento para a tomada de imagens, explicar como elas serão usados, aplicar a segurança adequada nas suas comunicações digitais e excluir imagens e outros dados sobre pacientes de dispositivos pessoais depois de salvar estes nos registros de saúde do paciente."

Todo o material e sensível, mas fica a questão se não seria melhor para a profissão financiar o que seria certamente um custo relativamente administrável para desenvolver uma aplicação adequada, de modo que os médicos não tenham que tentar e aprender sobre segurança?